16 dezembro, 2010

LEMBRANÇAS DE UMA NOITE INFINITA

Estavam os dois deitados no chão contemplando o céu.
Com uma mão faziam carinho um no outro. Com a outra mão espantavam os mosquitos.

- Aqui 'tá cheio de muriçoca.
- Nome bonito...
- O quê?
- Muriçoca. É um nome bonito.
- Hum.
- Mu-ri-ço-ca. Lembra: pa-ço-ca.

Ele virou-se para ela e olhou firme em seus olhos. Olhos que refletiam a luz da lua. Refletiam também uma doçura, inocência e ingenuidade que faziam parecer pueril aquele comentário bobo.
Os dois riram.
Sentiu que estava sendo invadido por um amor tão profundo e intenso que atravessaria os tempos. Então, apertou com força a mão dela.

2 comentários:

Por Felicia Bastos disse...

Saudações!
Gostaria de parabenizá-lo pelo espaço e convidá-lo a conhecer o Blog: Enquanto isso, no Mural da Felícia.
feliciassantos.blogspot.com

O Mural é nosso.
Sucesso e um ano repleto de energias positivas!

Marina disse...

Adorei o conto! Você se expressa muito bem, parabéns pela escrita e criatividade!