09 abril, 2009

RECONHECIMENTO



Eu choro por nós,
Não por ter sido vítima,
e sim teu algoz.

Eu lamento por nossos prantos,
Não por que fomos santos,
Mas apenas por terem sido tantos.

Ah, como é fria a luz do desamor!
Uma estrada sem setas.
De uma lado: rancor
Do outro, metas.

Um comentário:

Victor disse...

Comentário Pessoal:
Se não existem setas, a culpa não é da estrada e sim da autoridade responsável, que falando nisso deve ser responsabilizada pois um estrada sem rumo pode ser o pior lugar do mundo.

Comentario Técnico:

Lanço um desafio a todos os colegas do Brainstorming Synergía, que tal fazermos um concurso de sonetos, a poesia máquina de poetas robês, mas que são charmosos.

Por falar nisso, tu está recriandos os sonetos?